Nelsinho não comparece e CPI pode pedir condução coercitiva

por norton — publicado 12/01/2018 15h45, última modificação 12/01/2018 15h45
Nelson Granciérie deveria prestar depoimento nesta sexta-feira (12), conforme solicitado por ele mesmo

O ex-secretário da fazenda do governo Mário Bulgarelli (PHS), Nelson Virgílio Granciéri, o “Nelsinho”, não compareceu para prestar depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga o rombo financeiro no Instituto de Previdência de Marília (Ipremm).

Os integrantes da CPI esperaram por 30 minutos, além do horário estipulado para o depoimento, mas o ex-secretário não apareceu e nem justificou a ausência.

Segundo informou o presidente da comissão, o vereador Mário Coraíni Júnior (PTB), caso Nelson Granciéri não compareça e nem justifique sua ausência na próxima intimação, poderá ser conduzido coercitivamente pelo poder judiciário.

“A comissão decidiu agendar uma nova data para ouvir o ex-secretário Nelsinho. Caso o mesmo não compareça e nem justifique sua ausência, nesta nova intimação, consignaremos uma advertência de que iremos recorrer ao Poder Judiciário para pedir sua condução sob vara. A CPI tem os poderes inerentes ao próprio Poder Judiciário, mas para a condução coercitiva, teremos a cautela de pedir judicialmente”, disse.

Na próxima quarta-feira, 17, às 14 horas, a CPI irá ouvir o ex-secretário Gabriel Ribeiro, que atuou durante o governo de Ticiano Toffoli (PT). Na mesma data será anunciada a nova data de depoimento de Nelson Virgílio Granciéri.